7 de mar de 2012

Valsemos?

(O que segue são apenas pensamentos soltos e desejos de uma alma romântica.)

Em algumas culturas a dança da valsa é de suma importância e é um sinal de cumplicidade e confiança profundo. Só poderei dançar com pessoas que merecem meus respeito, amor, dedicação e coração.

Pode observar que em casamentos e festas de debutante sempre a dança envolve os pais, padrinhos e o noivos ou aniversariante. Ou seja, aqueles que tem laços inquebráveis e profundos.

Pode me chamar de dramático ou doido, mas vejo que a valsa tem sumido do meio de nossas culturas. Os grandes bailes e as belas valsas com pessoas em total cumplicidade e união não existem mais, a única coisa que vemos é danças distantes e com proximidade sensual, nenhuma proximidade afetiva e respeitosa. E este distanciamento se reflete totalmente nos relacionamentos, sempre distantes e com uma enfase sensual exacerbada... As belas valsas fazem falta; os velhos relacionamentos grandes e duradouros e verdadeiros fazem falta; o sentimentalismo e entrega fazem falta; a humanidade faz falta...

Mas ainda acredito que poderei valsar com alguém, mesmo que vezes por sorrisos e vezes por lágrimas, alguém ainda há de valsar comigo... Alguém ainda terá cumplicidade comigo e poderemos dançar com proximidade afetiva e não sensual...

Alguém quer um dia valsar no mesmo baile que eu?

Amo vossos corações, mesmo que não amem o meu.
Uli Teffann

Nenhum comentário: